Nesta sessão disponibilizaremos as melhores Dicas de saúde, beleza, bem-estar, qualidade de vida e muito mais.

Tenham uma ótima leitura!
 
   
Notícia - Dormir mais pode evitar diabetes em jovens

Dormir mais pode evitar diabetes em jovens

Segundo estudo americano, passar a dormir de seis para sete horas diárias já promove o benefício entre adolescentes.

Uma nova pesquisa americana sugere que dormir mais pode ser uma forma de os adolescentes reduzirem a resistência à insulina e, consequentemente, evitarem o aparecimento de diabetes no futuro. Segundo os autores, que são da Universidade de Pittsburgh, nos Estados Unidos, se os jovens que costumam dormir seis horas por dia acrescentassem uma hora de sono todas as noites, eles poderiam melhorar os quadros de resistência à insulina em 9%.

A insulina é um hormônio responsável por reduzir a taxa de glicose no sangue. Quando uma pessoa desenvolve resistência à insulina, suas células não conseguem responder ao hormônio, acarretando o acúmulo de glicose na corrente sanguínea e na urina e, consequentemente, o surgimento do diabetes.

O estudo, publicado na edição deste mês do periódico Sleep, observou a duração do sono e os níveis de resistência à insulina de 245 jovens saudáveis entre 15 e 18 anos de idade. Para isso, os pesquisadores coletaram amostras do sangue de cada participante em jejum e pediram que os adolescentes fizessem um diário do sono durante uma semana. Os jovens dormiam, em média, 6,4 horas por dia, sendo que o sono tinha duração significativamente menor em dias de semana.

Segundo os resultados, o sono restrito está associado à resistência à insulina independentemente de gênero, raça, idade ou índice de massa corporal. Segundo a coordenadora do estudo, Karen Matthews, essa é a primeira vez em que uma pesquisa relaciona sono e resistência insulínica tanto para obesos quanto para não obesos, destacando a importância de esforços de saúde pública que melhorem a saúde metabólica dos adolescentes.

Os prejuízos de dormir pouco

Diminui a capacidade de o corpo queimar calorias

De acordo com uma pesquisa apresentada no encontro anual da Sociedade para Estudo de Comportamento Digestivo (SSIB, sigla em inglês), em julho de 2012, na Suíça, a restrição do sono faz com que um indivíduo consuma mais calorias e, além disso, reduz a capacidade do corpo de queimá-las. Isso ocorre porque dormir pouco aumenta os níveis de grelina, o ‘hormônio da fome’, conhecido assim por induzir a vontade de comer, na corrente sanguínea. Além disso, o hábito promove um maior cansaço, reduzindo a prática de atividades físicas e aumentando o tempo de sedentarismo.

Eleva o risco de câncer de mama agressivo

Um estudo publicado em agosto de 2012 no periódico Breast Cancer Research and Treatment sugeriu que dormir menos do que seis horas por dia eleva o risco de mulheres na pós-menopausa terem um tipo agressivo de câncer de mama e uma maior probabilidade de recorrência da doença.

Aumenta as chances de um derrame cerebral

Dormir menos do que seis horas por dia aumenta o risco de um acidente vacular cerebral (AVC) mesmo em pessoas com peso normal e sem histórico de doenças cardiovasculares, segundo um estudo apresentado em junho de 2012 no encontro anual das Sociedades de Sono Associadas (APSS, na sigla em inglês), na cidade americana de Boston.

Aumenta o apetite por comidas gordurosas

Dormir pouco ativa de maneira diferente os centros de recompensa do cérebro com a exposição a alimentos gordurosos em comparação com dormir adequadamente. Isso faz com que esses alimentos pareçam mais salientes e que a pessoa se sinta mais recompensada ao comer esse tipo de alimento. Essas descobertas foram apresentadas em junho deste ano no encontro anual das Sociedades de Sono Associadas (APSS, na sigla em inglês), na cidade americana de Boston. Além disso, uma pesquisa publicada em janeiro deste ano indicou que noites de sono mal dormidas ativam com mais intensidade uma área do cérebro responsável pela sensação de apetite.

Pode desencadear sintomas do TDAH

Segundo um estudo apresentado em junho de 2011 durante encontro das sociedades médicas para o sono, nos Estados Unidos, menos horas de sono podem desencadear problemas com hiperatividade e desatenção durante o começo da infância. Esses são sintomas comuns do transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH).

Eleva o risco de impotência sexual

A 25ª Reunião Anual da FeSBE (Federação de Sociedades de Biologia Experimental), em agosto de 2010, trouxe uma pesquisa que relacionou a falta de sono e o problema sexual. De acordo com o trabalho, feito na Unifesp, além do maior risco de impotência, homens que dormem pouco têm maiores chances de desenvolver problemas cardiovasculares e de engordar.

Pode levar à obesidade

Um estudo apresentado em outrubro de 2011 no Encontro Anual do American College of Chest Physicians, mostrou que jovens que dormem menos de sete horas por dia têm índice de massa corporal (IMC) maior, e que isso pode estar relacionado diretamente com os hormônios grelina e leptina, que regulam as sensações de fome e saciedade.


< Voltar
 
Rua 24 de Maio, 77 - Galeria R. Monteiro - Loja 10 - CEP: 01041-001 - São Paulo - SP
Telefone/fax: (11) 3223-2788 E-mail: contato@magnavita.com.br
  Copyright © 2006 - Todos os direitos reservados - Magna Vita Homeopatia e Produtos Naturais