Nesta sessão disponibilizaremos as melhores Dicas de saúde, beleza, bem-estar, qualidade de vida e muito mais.

Tenham uma ótima leitura!
 
   
Notícia - Para evitar a enxaqueca, fique atento ao que coloca no prato

Para evitar a enxaqueca, fique atento ao que coloca no prato

Mal que acomete cerca de 15% da população brasileira, segundo a Sociedade Brasileira de Cefaleia (SBCe), a enxaqueca pode ser amenizada com algumas dicas simples, como comer de forma correta. "Evitar a hipoglicemia, que é a diminuição do açúcar no sangue, alimentando-se em intervalos regulares, ajuda a barrar as crises", explica Isolda Prado, nutróloga Abran (Associação Brasileira de Nutrologia). "Evitar os extremos, como comer demais ou de menos, também ajuda", frisa a médica.

A enxaqueca tem um componente hereditário e é mais comum em pacientes com parentes que sofrem do mesmo problema. Entretanto, para o desenvolvimento da crise, é necessário que exista um gatilho ou uma influência ambiental. Um desses gatilhos pode estar no seu prato.

Alguns alimentos contêm substâncias que, quando ingeridas, desencadeiam ou pioram a dor de cabeça. "Para as pessoas que sofrem de enxaqueca, pode existir a sensibilidade para um ou outro alimento. O paciente deve procurar identificar ou associar a ingestão com o surgimento da crise, evitando a utilização daquele item", explica Prado.

Dormir mal e viver sob estresse são outros fatores que pioram a enxaqueca. Por isso, não é surpresa que a população em idade produtiva (entre 25 e 45 anos) é uma das mais acometidas por esse mal, segundo estudo feito pela SBCe e o hospital Albert Einstein. É justamente nesta fase da vida, quando se trabalha com bastante intensidade, que o estresse e as poucas horas de repouso tendem a virar rotina. Nestes casos, lançar mão de técnicas de relaxamento e estabelecer padrões regulares de sono podem ser boas formas de evitar novas crises.

Também chamada de migrânea, a enxaqueca é apenas um entre os mais de 150 tipos de dor de cabeça reconhecidas pela Sociedade Internacional de Cefaleia, e está entre as mais comuns dores de cabeça primárias, ou seja, aquelas que surgem espontaneamente, sem uma causa aparente.

Além da dor, os pacientes costumam apresentar outros sintomas durante a crise de enxaqueca, como fotofobia (sensibilidade a luz) , fonofobia (sensibilidade ao som) e intolerância a odores (osmofobia). Outros sintomas frequentes são náuseas e vômito.

Algumas pessoas apresentam na fase que precede a crise de dor fenômenos neurológicos transitórios chamados de "aura". As mais frequentes são a percepção de manchas no campo visual, como linhas brilhantes ou em ziguezague, e sensação de dormência de um membro, geralmente nas pontas dos dedos, na língua ou nos lábios. Formas menos comuns incluem incapacidade temporária para falar (afasia) ou fraqueza (paresia) de um ou mais membros de um lado do corpo.

A enxaqueca pode durar de quatro a até 72 horas, se não for tratada. Se passar desse período sem melhora, pode ser necessária até uma internação. Tem intensidade moderada a intensa e a dor é descrita como latejante e unilateral (em apenas um dos lados da cabeça).

Nos casos mais graves e frequentes, o tratamento inclui medicamentos para serem usados durante a crise e para evitá-las. Estes remédios devem ser prescritos pelo neurologista, que avaliará com mais precisão cada caso, após consulta médica. "Uma repetição das crises indica a necessidade de um tratamento preventivo", diz o neurologista Mario Peres, do hospital Albert Einstein.

Vale lembrar que o abuso no uso de analgésicos, comumente usados por conta própria para aliviar dores de cabeça, pode vir a agravar a enxaqueca, tornando-a a mais resistente a longo prazo. "A tomada exagerada de analgésicos, diariamente, pode agravar a dor de cabeça. Atenção especial aos analgésicos que contém cafeína", pontua Peres. Em seu site, a SBCe frisa que "analgésicos não tratam a enxaqueca, só aliviam a intensidade e duração das crises, depois que ela já se instalou".

Conheça a relação entre o que você come e a enxaqueca

Cafeína: substância presente no chocolate, no café e em bebidas como chá preto e refrigerantes pode provocar enxaqueca se consumida em excesso. Segundo a Sociedade Brasileira de Cefaleia, o ideal é ingerir até 200 mg de cafeína por dia, distribuídas entre todos estes alimentos. Parar repentinamente de consumi-los não é bom, pois ocorre a abstinência de cafeína, o que também pode causar enxaqueca.

Glutamato monossódico: tempero que realça o sabor, comum em produtos industrializados, como os salgadinhos de pacote, pode inibir a absorção de glicose por parte das células cerebrais, desencadeando a enxaqueca.

Nitritos e nitratos: usados para fixar a cor em carnes processadas, estão presentes em alimentos como salame, presunto, mortadela e salsicha. Por sua ação vasodilatadora, podem dar origem à enxaqueca.

Aminas: pessoas que sofrem de enxaqueca podem ter um metabolismo mais lento em relação a essas substâncias, o que desencadearia as crises. Elas estão presentes em bebidas alcoólicas, como cerveja e vinho (em especial o tinto), chocolate, queijos maturados, embutidos, molho de soja e carnes defumadas.

Frutas cítricas: como limão, laranja e abacaxi aumentam a absorção de cobre, substância que pode ter um metabolismo anormal em quem sofre de enxaqueca.

Lactose: quem tem intolerância à essa substância, presente no leite e seus derivados, pode ter a enxaqueca agravada se consumi-la.

Lipídios e ácidos graxos: em níveis aumentados, essas substâncias, presentes em alimentos gordurosos e em oleaginosas, como nozes e amendoim, podem deflagrar crises de enxaqueca.

Aspartame: presente em adoçantes e alimentos dietéticos, pode agravar a enxaqueca, segundo a Sociedade Brasileira de Cefalia. Neste caso, vale a regra de observar a reação consumo x nova crise.

Alimentos gelados: sorvetes e bebidas muito geladas, quando em contato com o céu da boca, causam uma rápida contração e dilatação dos vasos sanguíneos na cabeça, podendo dar origem à enxaqueca.

Ficar sem comer: o jejum é o aspecto alimentar mais importante para desencadear dores de cabeça, segundo a Sociedade Brasileira de Cefaleia, pois pode gerar gerar uma baixa no açúcar do sangue, com a produção de substâncias que causam dor. O ideal é alimentar-se em intervalos regulares, a cada 3 ou 4 horas.


< Voltar
 
Rua 24 de Maio, 77 - Galeria R. Monteiro - Loja 10 - CEP: 01041-001 - São Paulo - SP
Telefone/fax: (11) 3223-2788 E-mail: contato@magnavita.com.br
  Copyright © 2006 - Todos os direitos reservados - Magna Vita Homeopatia e Produtos Naturais